‘White flight’ no mundo digital

O primeiro link eu peguei no NPTO (que, aliás, voltou de férias finalmente, e ao qual recomendo visitação diária, pois é muito bom). E, depois do primeiro link, emburaquei sozinho pros outros.

Basicamente é o seguinte: nos EUA, a juventude branca-bem-educada está deixando o Myspace e migrando para o Facebook, enquanto os pretos e suburbanos continuam no Myspace.

Foi uma americana chamada Danah Boyd quem andou pesquisando sobre o perfil dos usuários das redes sociais (Orkut, Facebook, Myspace etc.) e descobriu que – especialmente entre adolescentes – os padrões de segregação do mundo real se repetem no virtual. O universo de que ela trata é o americano, mas muito do que ela fala já andei (andamos?) percebendo no Brasil. A descoberta em si não é grande novidade para quem está mais ou menos atento, mas sobretudo as análises que ela faz são muito interessantes.

Para quem não estiver com muita paciência para ler o artigo completo, pode ler a entrevista que ela deu sobre o assunto para o The root (atente que são duas partes; no final tem um link pra página seguinte). E pra quem quiser ler tudo, o que eu recomendo enfaticamente, está na página pessoal dela.

(Tanto a entrevista quanto o artigo, infelizmente, só estão disponíveis em inglês.)

Os questionamentos que ela levanta são muito pertinentes e vão fundo na questão. A primeira colocação é a de que podemos ver no mundo digital o fenômeno do mundo real chamado ‘white flight’ (algo como ‘fuga dos brancos’), uma migração dos setores mais ricos das cidades grandes para cidades menores ou bairros mais afastados que começou nos EUA nos anos 60 e 70 por causa do aumento da violência, do crescimento dos guetos, aumento de carros e – uma coisa que ela não explicita, mas que fica claro pela leitura do texto e por coisas que já andei lendo vida afora – pelo aumento da diversidade racial (não apenas negros, mas árabes, latinos, asiáticos) nos espaços anteriormente frequentados apenas pela elite majoritariamente wasp (white-anglo-saxons-protestants ou brancos-anglo-saxões-protestantes).

Mas, se no caso do ‘white flight’ real havia motivos que, em tese, poderiam ser justificados concretamente (medo de sofrer uma violência, por exemplo), no caso virtual a coisa se mostra diferente. Sobretudo, como destaca Danah e com a qual eu concordo plenamente, o fenômeno ‘myspace-to-facebook’ que vemos evidencia que o grande medo é muito maior na esfera simbólica. Não é apenas o medo do contato físico, mas sobretudo o da troca (qualquer tipo de troca) com aquele que não se conhece. O medo de ser poluído por valores dos quais se tem aversão, normalmente por desconhecimento. O horror ao outro. Nessa, o fenômeno da internet é fundamental por estar ajudando muito a entender como se operam essas complicadas relações também na vida real.

Danah ainda arremata (na boa, o artigo é muito bom; se você lê inglês, pare de ler o meu post e vá à fonte) mostrando que a coisa é muito marcadamente segregacionista porque, diferente de um provedor de e-mails, em que alguém do Hotmail pode enviar mensagem para alguém do IG (ela não exemplifica com o IG, evidentemente), no caso das redes sociais isso é impossível: quem é do Facebook só conversa cmo quem é do Facebook. Assim, mesmo com o crescente acesso à internet por pessoas dos mais variados perfis socioeconômicos, culturais e raciais (acho que a maior parte das favelas cariocas, por exemplo, têm lan house e gato-net com boa conexão), e estando os problemas da infraestrutura nas grandes cidades sendo superados como a primeira barreira que separava, estamos criando uma nova e igualmente concreta muralha. Justamente no espaço que se vangloria de ser uma revolução por poder manter em contato o mundo todo. Paradoxal, não?

E esses padrões, como eu falei, se repetem no Brasil. O ‘white flight’ do mundo real também está acontecendo por aqui, embora em menor grau por causa de especificidades nossas. Os subúrbios do Rio, por exemplo, são praticamente todos considerados muito menos seguros do que os bairros nobres da zona sul, e então o pessoal que não consegue mais aturar as favelas ao redor de seus prédios está fugindo, sobretudo, para as cidades serranas mais próximas, como Petrópolis, Itaipava, Teresópolis, em busca do isolamento (acho que esse é o termo chave). E acho que essa migração só não acontece em maior escala porque nosso sistema de transporte é muito capenga, diferente do que imagino ser (veja bem: imagino) nas cidades americanas.

Mas as semelhanças não param por aí. No mundo digital daqui também temos observado um fenômeno semelhante. Cada vez mais a moçada descoladinha está deixando o Orkut para ir pro Facebook. Muita gente está apagando o seu Orkut e ficando exclusivamente no Facebook. E isso vem acontecendo, no meu superficial porém atento ver, por três razões: um) o Facebook é uma novidade, e acaba inspirando, naturalmente, uma movimentação; dois) o Orkut já deixou, há muito tempo, de ser frequentado pelo povo refinado, e tem cada vez mais pobres, favelados, não-brancos e pessoas em geral que nem conhecem Radiohead ou Belle & Sebastian; três) o Facebook é moda entre europeus e americanos, o que surte um efeito danado numa ex-colônia como a nossa. Aqui, não se fala tão claramente como lá que a mudança se deu porque o Orkut é coisa de gente pobre. Virou démodé, só isso.

Mas, mesmo sendo brancos, bem-educados, viajados e com dinheiro, ainda somos latino-americanos, eternamente no entre-lugar do mundo. E é assim que, ao mesmo tempo que nossas elites fazem o ‘white flight’ para não se associarem à chusma que lhes serve diariamente, elas próprias muitas vezes sabem, mas fingem ignorar, que são razão do ‘white flight’ dos seus colonizadores para paragens distantes de nós. Quem não se lembra do espanto e desgosto do povo do hemisfério norte ao descobrir que só tinha brasileiro no Orkut, o que os fez mudar para o Myspace? (Lembram também que tinha até um papo, acho que lenda, de que o Orkut tornava mais lento e com mais problemas o acesso dos perfis marcados como brasileiros?)

Quando a nossa elite brasileira lotar o Facebook, desesperada por ser aceita pela elite do hemisfério norte, eles lá já terão criado um novo site pra se abrigar – e aí, não duvido, qualquer hora dessas com um sistema de reconhecimento, talvez, de IP (já que o cutâneo ou genético não seria politicamente correto, digamos assim).

Anúncios

6 Responses to “‘White flight’ no mundo digital”


  1. 1 Raphaella 08/11/2009 às 21:43

    blog abandonado. não vai comentar o filme do Mia Couto?
    beijocas!

  2. 2 Rafael Cesar 09/11/2009 às 09:43

    Pois é, Raphinha, andou me dando uma preguiiiiiça… Mas volto logo. Beijinhos! (e nhom!)

  3. 3 antonio 23/11/2009 às 19:36

    porque diabos no início da página do npto tem um gráfico (?) com as famílias nobres de florença?

  4. 4 Rafael Cesar 23/11/2009 às 21:51

    não tenho a menor ideia. mas você acaba de me fazer decidir colocar toda a minha árvore genealógica, até meus ancestrais da realeza quimbundu. foram várias dinastias, segundo a tradição oral na minha família. vou começar a pesquisar.

  5. 5 antonio 24/11/2009 às 10:56

    A gente já tinha falado disso. Tem até uma foto aí que vai ser bombástica…

  6. 6 Rafael Cesar 25/11/2009 às 17:13

    pode crer, eu tenho que encontrar essa foto! muito bem lembrado!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




oquê, caboco!

quando chegar a um milhão, eu fecho o blog.

  • 42,746

escreva seu e-mail no campo abaixo

Junte-se a 8 outros seguidores

quer falar comigo, ném?

meu jazz @ gmail . com

———————————————-


%d blogueiros gostam disto: